• contato@biosaprova.com.br
  • Seg a sex 7h - 22h | Sáb 7h - 17h

#Atualidades E se o porte de armas fosse liberado no Brasil?

Na prática, qualquer brasileiro maior de 25 anos e sem antecedentes criminais pode ter uma arma em casa. É a chamada “posse de arma”. O porte, ou seja, a permissão para andar na rua com um revólver na cinta, é outra coisa. Trata-se de um privilégio restrito a militares, policiais, funcionários de empresas de segurança privada e trabalhadores rurais que morem em locais distantes, sem policiamento. É assim desde dezembro de 2003, quando foi assinado o Estatuto do Desarmamento no Brasil.

Ainda que o uso seja restrito, a demanda é grande. Nos últimos 14 anos, o total de registros de armas aumentou consideravelmente: de 5.459 em 2004 para 42.387 em 2017. Segundo a Polícia Federal, há no País 646.127 armas legais nas mãos de civis – mais quase 10 milhões com a polícia e as Forças Armadas. Na hipótese de que cada uma delas esteja com um brasileiro diferente (não há estatísticas sólidas), temos que 0,3% das pessoas tem arma em casa. O número exclui armas de militares, caçadores, colecionadores e as sob posse das Forças Armadas, registradas pelo Exército.

Pensar em um cenário em que cada brasileiro, do taxista ao CEO de empresa, tenha arma, é analisar uma realidade semelhante à dos Estados Unidos. Lá, comprar um revólver é quase tão simples quanto trocar de eletrodoméstico: estima-se que existam quase 400 milhões de armas, uma média de 121 a cada 100 pessoas – mais armas do que gente. Apenas 3% dos civis, no entanto, possuem alguma arma. Ou seja, quem tem, tem muitas, mas relativamente poucos americanos contam com um revólver na gaveta, ou na cinta.

Ainda assim, o exemplo americano permite imaginar como seria um Brasil armado até os dentes. Para começar, o índice de suicídios iria às alturas. Nos EUA, a maioria das mortes por armas de fogo acontece dessa forma – incríveis 64,2% dos 37.200 óbitos em 2016. No Brasil, essa porcentagem é de 4%, ou 1.728 mortes.

Se os mesmos 3% da população do Brasil andasse armada (o que representaria 6 milhões de novas armas em circulação), o total de pessoas que tiram a própria vida todo ano, proporcionalmente, passaria dos 16 mil. É como se sete Boeings 737 lotados caíssem todo mês.

Fonte: super.abril.com.br

Postado em: 31/10/2018