• contato@biosaprova.com.br
  • Seg a sex 7h - 22h | S√°b 7h - 17h

O que estudou Katie Bouman, a cientista por tr√°s da foto do buraco negro

O dia 10/04/2019 foi histórico para a ciência: pela primeira vez, vimos a imagem de um buraco negro. O feito não só comprova teorias científicas anteriores, como a da relatividade elaborada por Einstein, como também servirá de base para novos estudos. Mas, junto com a imagem do buraco negro, algumas outras ficaram famosas e circulam nas redes sociais desde ontem: A imagem da cientista Katherine Louise Bouman ao lado de várias pilhas de HDs.

Seu trabalho foi imprescindível para que o mundo pudesse ver pela primeira vez um buraco negro. Na primeira foto, ela posa junto com as pilhas de HDs necessários para armazenar os dados que, depois, formaram a imagem que vimos. Um dos algoritmos que permitiu reunir esses dados, captados por oito radiotelescópios, é obra de Katie.

Trajetória acadêmica
Afinal de contas, qual foi a trajetória de Katie Bouman até se tornar um dos membros da Event Horizon Telescope Collaboration, equipe do MIT que obteve a imagem? Bom, na verdade o trabalho do EHT sequer seria o que hoje é sem sua participação.

A primeira vez que apresentou a f√≥rmula para o algoritmo, Katie tinha apenas 27 anos e era estudante de mestrado em Engenharia El√©trica e Ci√™ncias da Computa√ß√£o no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT. A partir de ent√£o, passou a liderar a equipe de cientistas ‚Äď ao longo dos √ļltimos tr√™s anos foram cerca de 200 ‚Äď que tentava extrair os dados dos radiotelesc√≥pios.

Sua dissertação de mestrado, Estimando as Propriedades Materiais do Tecido através da Observação do Movimento, recebeu o Prêmio Ernst Guillemin de Melhor Tese de Mestrado. Concluiu também no MIT o seu doutorado. Antes do mestrado, a cientista cursou graduação em Engenharia Elétrica na Universidade de Michigan.

Atualmente, Bouman desenvolve sua pesquisa de pós-doutorado no Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian e leciona no departamento de Computação e Ciências Matemáticas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), em Pasadena, nos Estados Unidos.

Fonte: guiadoestudante.abril.com.br

Postado em: 15/04/2019